sábado, 17 de julho de 2010

A VERDADE E O RESPEITO OU FALTA DELE.

A verdade e o respeito.

Nesta semana que findou tive a oportunidade de ler em 2 semanários de Leiria a mesma carta, nas rubrica: “ clube do leitor” e “ Dos leitores”.
Seria estranhos se fosse para dizer bem, mas como foi para dizer mal, logo os 2 semanários se juntaram e deram voz, quiçá a quem até pagou por ter a crónica nos ditos jornais.
Como quem sabe a verdade e luta por ela não se esconde, eis que não podia ficar indiferente a tal disparate ali comentado. Assim vale a pena informar esse leitor devidamente identificado, pena não dar a cara, neste caso o nome para que numa próxima oportunidade fosse também ele actor deste filme de ficção que é viver no centro histórico. E viver no centro histórico é de facto viver no centro histórico – 24h sobre 24h. Convêm também informar que o centro histórico é grande e existem locais que embora façam parte do C.H. não têm o problema da parte mais central ou seja a parte velha.

Mas vamos então aos factos.

Se o leitor leu os jornais ficou claríssimo como água que ninguém tem nada contra ninguém, o que os moradores pretendem é descansar, dormir, estar em paz e sossego dentro daquilo que é seu por direito, - a sua CASA.

Dos pombos, sem comentários.

Sobre a falta de luz, ficou e, é bem patente que existem muitos locais que só existe o local do candeeiro, isto porque em muitos casos e segundo informação da EDP, no dia em que ficam arranjados nesse mesmo dia são partidos, isto porque se não o fossem, o escritório de alguns senhores ficara sem as devidas condições de funcionamento para as actividades ali praticadas.
Os bares, assim como as poucas lojas de comercio são e serão sempre uma mais-valia ao oferecerem luz, e isso nunca foi colocado em causa, Agora se existe falta dela devem todos lutar para que as ruas tenham iluminação, sempre e nas devidas condições máximas por nós exigidas como contribuintes. Não é por existir uma “ vela “ que nos devemos dar por satisfeitos, independentemente de quem é o dono.

Segurança :Como o leitor bem sabe e os jornalistas ali presentes viram e sentiram foi que a partir de determinada hora, ela (segurança) apanha o Mobilis e vai para outra banda. Só que para existir segurança tem que existir pessoas e não gente, é diferente e muito significativo este conceito. O que existe é gente e não pessoas, o que Leiria precisa é de pessoas e não de gente, e para se ter pessoas temos que lhes oferecer uma coisa simples, mas que é muito complicado a certas " gentes " perceberam – Qualidade de vida, durante o dia e principalmente à noite para que assim possam optar e bem, por viver no centro histórico. Sabia o caro leitor que, numa das poucas pensões existentes em Leiria o seu proprietário já foi “ obrigado “ a devolver o dinheiro da dormida porque o seu cliente não conseguiu ter aquilo por que pagou? Pois não sabe, e não sabe porque não vive o centro histórico, e também aqui existe a diferença, habitar é diferente de viver, talvez o leitor habite no centro histórico e não viva no mesmo.

Prostituição e drogas: Bastou virarmos uma esquina e ali estavam elas, de mãos dadas a namorar debaixo de um candeeiro que por “ acaso “ não tinha luz, só por acaso. Quem vive e passa horas na parte velha desta cidade que de provincianismo não tem nada, até porque acompanha muito e bem, as más ondas vindas das principais cidades da Europa.

Gostaria de fazer um pequeno jogo com o leitor bem identificado, imagine que tem uma filha e que a mesma sai para ir ter com amigos e no meio do percurso era abordada por “ pessoas de bem “ sobre uma determinada prática, que até é a mais velha do mundo, como ficaria o Leitor ao saber dessa oferta tão generosa feita à sua filha? feliz? , Procurava-os para lhes agradecer? ou pensaria em tudo menos oferecer um cafezito ?. Pois é… é duro de pensar, mas é a dura das verdades, ninguém gosta de difamar a própria rua é a rua que nos difama, diz-me onde vives e digo-te a que mundo pertences. Pois também é verdade não são os bares, são as gentes que frequentam a parte velha da cidade que o fazem. Marginalidade não foi vista, foi sentida á flor da pele, nessa 6ª. Feira, (e não era 13). O que os jornalistas escreveram foi o que viram e sentiram, não foi só dito, foi também vivido. Outro conceito bem diferente - dizer – diferente de - viver.

Comercio – como pode o empresário investir numa zona com as características do centro histórico de Leiria? Só se for suicida, mas se o fosse estava “ brancas “ e não na parte velha da cidade, quem investe 1 €, tem que saber que pode ganhar 4€, 1€ para o investimento, 1€ para impostos, 1 € para voltar a investir e por fim 1 € para viver. Há! o leitor não sabia que os comerciantes também jantam? ainda o conseguem fazer, até quando não sei.

Caro leitor se existe alguém a difamar é V. Exa., ao difamar a nossa inteligência, a nossa vontade, o nosso querer e tudo isso com as suas palavras, com a visita do Executivo Camarário (e não só do Presidente) tivemos uma clara manifestação de vontade para resolver o que já existe há muitos anos, porque o que pretendemos é ter pessoas a viver, a conviver, a beber uns copos nos bares, a saborear a historia destas ruas numa noite de verão ou a ouvir a chuva numa tarde de inverno, mas… com o, e, sempre, prazer de viver no centro histórico de Leiria. Para isso é preciso respeito, diz bem, sim respeito, mas PARA COM O NOSSO AMIGO E VIZINHO. Numa sociedade moderna isso chama-se civilização.

CENTRO HISTORICO LEIRIA

quarta-feira, 14 de julho de 2010

SHOP ON - COMERCIO TRADICIONAL DE LEIRIA


Shop On - Comércio de Leiria aberto até à meia-noite dia 24 de Julho


No próximo dia 24 de Julho, a ACILIS e a Câmara Municipal de Leiria vão realizar o projecto SHOP ON que se traduz no prolongamento dos horários das lojas do centro da cidade de Leiria até às 24h00, com o objectivo de valorizar o comércio local e potenciar a atracção de novos públicos à cidade.

Com uma oferta de produtos diversificada e de qualidade, o evento vai contar com 70 lojas aderentes, que neste dia abrirão as suas portas até às 24h00.

A par das várias iniciativas de animação promovidas quer na rua, quer nos estabelecimentos, pelos lojistas aderentes (descontos especiais, pinturas faciais, degustação, mercados de rua, música ao vivo, etc.), a Câmara Municipal de Leiria programou um vasto leque de animações de rua, fixa e itinerante (mimos, palhaços, malabaristas, percussionistas, cinema ao ar livre, ginástica, pintura ao vivo, violinista, monociclista, carros antigos, charrete, filarmónicas, tunas, fanfarra, etc.), que irá decorrer entre as 19H00 e as 24H00.

Além das animações itinerantes, vão existir também pontos de animação fixa:
- Largo do Papa – desporto e música
- Fonte Luminosa – insufláveis e jogos Nintendo
- Praça 5 de Outubro – exposição de carros antigos
- Largo Cónego Maia – demonstração BTT
- Travessa de S. Francisco – filarmónicas
- Avenida Heróis de Angola – artistas plásticos
- Pórtico do Centro Cultural de Santana – dança
- Largo da Sé – música

O Shop-On vai contar ainda com o apoio da Junta de Freguesia de Leiria, Panidor, Casa das Frutas Cordeiro & Companhia e Sodicel.

Deixe-se, pois, surpreender, visite-nos e desfrute do comércio de Leiria.
CENTRO HISTORICO LEIRIA

segunda-feira, 12 de julho de 2010

MÃOS NA TERRA








No dia 09 de Julho a C.M.Leiria deu inicio a um plano que passarei a chamar de “ mãos na terra “ ou seja o ajardinamento do centro da cidade de Leiria. Com este acção a autarquia pretende ir ao encontro da necessidade de dar à cidade uma nova imagem, que à muito se imponha, a de recuperar os seus jardins e espaços verdes, assim como desenhar novos espaços verdes em locais até agora impensáveis. Nos locais onde se encontram pequenos pedaços de terra, que para muitos não são mais que insignificantes “ pedaços de terra “, mas que para a autarquia são locais a explorar e a embelezar. Numa cidade à muito abandonada do ponto de vista estético surge agora pelas mãos da Eng.ª. Manuela Tavares e pelos seus colaboradores uma nova visão – recuperar o tempo perdido sem perder “ Tempo “.
Leiria parece de facto outra, e somente agora foi colocada a primeira semente.
Como se pode ver pelas fotos o CHLeiria, voltou a estar nos planos da cidade e uniu-se à cidade, ou será que foi a cidade que pretende fazer parte do CHLeiria?. Foi dado um passo importante, AGORA IREMOS POTENCIALIZAR OUTROS LOCAIS em colaboração com a C.M.Leiria.
Num primeiro agradecimento é de louvar o esforço dos trabalhadores da C. M. Leiria pelo trabalho desenvolvido debaixo de uns bons 38º grau. Obrigado.
Numa semana Leiria e os seus habitantes voltaram a sorrir de esperança E a ter uma cidade mais bonita.
CENTRO HISTORICO LEIRIA

quinta-feira, 1 de julho de 2010

UMA LIÇÃO DE 1931

"É impossível levar o pobre à prosperidade através de acções que punam os mais afortunados pela prosperidade. Cada pessoa que recebe sem trabalhar, obriga a que outra pessoa deva trabalhar sem receber. O governo não pode «dar» a alguém aquilo que tira a outro alguém. Quando metade de uma população começa a entender a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustenta-la, e quando esta outra metade entende que não vale a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação. É impossível multiplicar riqueza dividindo-a." ( Adrian Rogers, 1931).

Saber aplicar este principio na vida comercial será o trunfo do comercio tradicional, assim haja a capacidade intelectual de a entender.

CENTRO HISTÓRICO LEIRIA.