sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Um Centro Histórico Fashion

O futuro do CHLeiria terá que passar pela reciclagem das lojas aqui existentes, o produto do comercio tradicional terá que ter como publico alvo o " cosmopolita e sofisticado " A aposta terá que ser nos produtos diferenciados para um nicho de mercado mais exigente. Em contraponto os produtos tradicionais terão que desenvolver novos conceitos de marketing mais apelativos e com glamour.

Numa baixa exigente teremos um publico também ele de primeira água, essa terá que ser a nova era do CHLeiria.

A restauração terá que procurar aliar a qualidade dos serviços, a pratos tradicionais com um toque fashion clean. A crise afinal quando nasce abre a porta à imaginação e somente os mais exóticos na gestão dos seus espaços terão sucesso. Afinal vale a pena estar aqui.

Feliz Ano de 2012.

CENTRO HISTÓRICO LEIRIA

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Mando eu ou fazes tu ?

A polémica aberta em torno do horário do fecho dos bares de Leiria teve hoje mais um capitulo que no minimo é curioso.

Segundo uma noticia do Diário de Leiria, que junto em anexo, o regulamento do horário será estipulado não pela camara, mas pelo entendimento que resultar entre os moradores e os empresários, ou seja a partir do entendimento entre ambos. Os moradores já não se poderão queixar, nem os empresários se livrarão da responsabilidade do que assumirem perante os moradores. Esta lógica da batata não terá efeito nenhum, porque ambos não controlam as massas e se, por um lado o empresário não regula o espaço publico, o morador não regula o espaço privado, logo quem regula o quê, quando e como ?
 Assim fica tudo na mesma e dentro de dias teremos uns a dizer que os  outros não  cumprem o prometido e os outros a dizerem que a culpa é do espirito santo.

AH!,ok, estamos no Natal.

Noticia do Diario de Leiria.

 Câmara impõe como fundamental propostas e entendimento entre moradores e empresários para bares do Centro Histórico de Leiria não encerrarem à meia-noite
A restrição do horário dos bares do Centro Histórico de Leiria para a meia-noite, em cinco dias da semana, poderá não avançar, caso haja um entendimento entre todas as partes interessadas no processo. O mesmo significa que as medidas acordadas entre proprietários e residentes, e que vierem a ser propostas à câmara, são fundamentais para o município não avançar com aquela intenção, já aprovada em reunião de câmara, e que vai entrar na fase de audição dos interessados.
Aquele cenário é admitido pela vereadora com o pelouro do Desenvolvimento, que, a concretizar-se, não é, no seu entendimento, um recuo, mas "um passo ao lado". Mas para esse efeito é necessário que haja "unanimidade" entre todos os interessados, sublinha Isabel Gonçalves, ao nosso jornal.
CENTRO HISTÓRICO LEIRIA

sábado, 24 de dezembro de 2011

Coisa séria ou talvez.

Em vez de andarem a discutir a viabilidade para a partilha do território de uma forma saudável e sustentável e atractiva (saudável para os moradores, sustentável para os empresários e atractiva para os investidores), os atores políticos vs empresários andam a discutir, passe-me a expressão, pentelhos. O centro histórico de Leiria não está na posição de andar ao colo das guerrinhas entre o lado A e o lado B. Está demasiado débil para estas discussões de surdos. Leiria precisa de soluções sustentáveis e planeadas para se poder afirmar como uma capital de distrito e não como uma velha burguesa falida. Haja a coragem de fazer planeamento e ter medidas estratégias para uma cidade eficiente e eficaz, porque ambas são positivas mas contudo diferentes. O problema assenta neste princípio – Leiria tem mais bares por m2 no seu centro do que o aconselhável para um convívio são, o que torna a zona demasiado pequena para a saudável harmonia entre os vários actores. Sendo assim e porque termos de ter a capacidade de nos adaptarmos aos novos habitantes, que ano após anos entram em Leiria (e que são bem vindos) é necessário um novo olhar para a cidade, a cidade dos anos 90 já não satisfaz as necessidades dos nossos hábitos culturais e como tal teremos que adaptar a cidade à nova realidade e não interditar os seus habitantes, ao uso e fruto do espaço que ela ainda oferece. A solução passa pela deslocação da oferta ou seja temos que ter a coragem de estender uma cidade e reposicionar a oferta aos novos inquilinos e assim oferecer a alternativa positiva e retirar deles a mais valia que possam oferecer aos novos inquilinos. Haja pois, planeamento e estratégia para a eficácia ser eficaz.
CENTRO HISTÓRICO LEIRIA

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

DESFILE DE MODA ACILIS - CENTRO HISTÓRICO DE LEIRIA



Rui Unas e apresentadoras do Fama Show
no Moda Leiria 2011
Rui Unas vai ser o apresentador do Moda Leiria 2011, que a ACILIS vai promover no próximo dia 24 de Setembro pelas 21h30, no Largo 5 de Outubro, junto ao edifício do Banco de Portugal.
“Charlie e a Fábrica de Chocolate” é o tema do evento que contará com algumas caras conhecidas do grande público, como as apresentadoras do Fama Show Andreia Rodrigues, Rita Andrade, Laura Figueiredo, Cláudia Borges e Vanessa Oliveira, contando ainda com os manequins masculinos Pedro Barroso, Mário Franco, Bruno Rosendo e Pedro Martin, estando também prevista a actuação de Nuno Guerreiro.
Esta será uma boa oportunidade para as empresas do comércio local divulgarem e promoverem as suas colecções Outono/Inverno, com o apoio do Modcom. Esta iniciativa é restrita a associados da ACILIS e vai contar com a participação da João Ratão, Undercolors of Benetton, Joaninha, Dois G, Intimidades, Lion of Porches, ADN Space/Tiffosi Kids, Skulk, Mixxies/Theoria, United Colors of Benetton, IN!, Lacoste, Magic Women, Throttleman, La Squadra, Antóniu’s e Loja Stop.
- festa de encerramento no Moinho
Depois do desfile, haverá ainda uma festa de encerramento no Moinho, junto à Ponte Hintze Ribeiro, com a presença de bares associados da ACILIS, estando a animação musical a cargo dos Dj’s Rui Vargas e Rita Zukt.

CENTRO HISTÓRICO LEIRIA

As Conversas sobre Arqueologia em Leiria

Conversas sobre Arqueologia em Leiria


No sábado, dia 24 de Setembro de 2011, pelas 17h00, irá ser realizada nos Paços Novos do Castelo de Leiria a terceira sessão do segundo ciclo de conferências - Conversas sobre Arqueologia em Leiria, dedicada ao tema “O Castelo de Leiria: novos resultados arqueológicos”. Nesta sessão apresentar-se-ão três conferências que pretendem divulgar os resultados das intervenções arqueológicas e geofísicas, bem como dos trabalhos de documentação geométrica e fotogramétrica, promovidos pelo Município de Leiria no quadro do Plano Nacional de Trabalhos Arqueológicos (PNTA), denominado Valorização e Requalificação do Castelo de Leiria.


Conferências

Título: O projecto de investigação arqueológica do Núcleo do Castelo de Leiria: enquadramento, objectivos e resultados.

Conferencista: Vânia Carvalho (Arqueóloga e responsável pelo PNTA - CMLeiria)


Título: Completando por muralhas a obra da Natureza: O Castelo de Leiria, das origens à contemporaneidade

Conferencistas: Isabel Inácio e Filipe Coutinho (Arqueólogos, responsáveis pelas intervenções de sondagens manuais e prospecção geofísica, da empresa Arqueohoje, Lda)


Título: A documentação geométrica e fotogramétrica do Castelo de Leiria

Conferencista: Alberto Martinez (Engenheiro, especializado em levantamentos arquitectónicos e fotogramétricos, da empresa AMR)


A entrada é livre. Informações adicionais através do 244 839 677 ou e-mails vcarvalho@cm-leiria.pt ou cpintores.arqueologia@cm-leiria.pt.

 Nos últimos anos, o Concelho de Leiria e a sua região envolvente tem sido objecto de trabalhos arqueológicos, cujos resultados contribuem grandemente para o conhecimento da dinâmica de ocupação humana, nas suas dimensões ambientais, territoriais, políticas, económicas, sociais e culturais.

O conhecimento dos resultados desta investigação e das suas condicionantes de realização têm, por sua vez, um impacto na vida quotidiana e cultural da população que deve ser reconhecido, tornando-se cada vez mais necessárias a divulgação, avaliação e discussão públicas, tendo em vista o enriquecimento do conhecimento científico e o seu respectivo retorno social.
As conferências, que irão ter lugar entre os meses de Maio e Outubro de 2011, serão apresentadas em sessões periódicas, por arqueólogos, e/ou técnicos e investigadores de diversas áreas, numa perspectiva interdisciplinar, privilegiando o debate aberto como forma de intervenção. As sessões serão dirigidas não só à comunidade científica mas sobretudo a um público generalista, com enfoque para os munícipes de Leiria.

Neste segundo ciclo de conferências Conversas sobre Arqueologia em Leiria serão realizadas quatro sessões temáticas, de entrada livre, que decorrerão em vários locais da cidade de Leiria. Com esta iniciativa procura-se incentivar o envolvimento da comunidade na discussão de questões relacionadas com o Património Cultural e divulgar os resultados das intervenções arqueológicas realizadas nos últimos anos no concelho de Leiria.
CENTRO HISTÓRICO LEIRIA


segunda-feira, 9 de maio de 2011

Desfile Etnográfico e Feira Tradicional de 2011

Tal como tem sido habitual, irá decorrer no dia 15 de Maio o Desfile Etnográfico e Feira Tradicional. Atendendo ao número de Grupos Etnográficos e Ranchos Folclóricos intervenientes e à importância cultural da manifestação, é necessário proceder a alterações ao trânsito no centro da cidade.
Alterações a entrar em vigor entre as 14h00 e as 15h30:

• Fecho ao trânsito do Rossio de Leiria, entre a Rotunda do Sinaleiro e o Edifício “O Paço”.
Alterações a entrar em vigor entre as 15h00 e as 15h30:

• Fecho ao trânsito da Rua Capitão Mouzinho de Albuquerque, Avenida Heróis de Angola, Rua Américo Cortez Pinto, Rua de São Francisco, Beco de São Francisco, Rua Coronel Teles Sampaio Rio, Rua da Europa e Rua Camilo Korrodi.

Agradece-se a colaboração de todos os comerciantes.

CENTRO HISTÓRICO DE LEIRIA

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

DIA DE MIGUEL TORGA


Foi celebrado o Dia de Miguel Torga em Leiria

No dia 5 de Fevereiro foi celebrado em Leiria o Dia de Miguel Torga que teve quatro momentos distintos: o descerramento de uma lápide, a visita à clínica Primis, a apresentação das Actas do II Colóquio e um momento literário.
O descerramento da lápide ocorreu cerca das 16h00 ao fundo da Rua Comandante João Belo, num edifício novo que substituiu aquele em que o médico Adolfo Rocha teve o seu consultório. O teor da lápide é o seguinte: «Neste local existiu, entre 1939 e 1942, o consultório de otorrinolaringologia do Dr. Adolfo Rocha, Miguel Torga em literatura./ Leiria, 5 de Fevereiro de 2011/ JFL». Descerraram a lápide os elementos da Comissão Organizadora Laura Esperança, Albertina Ramos e Carlos Fernandes e ainda, em representação da Câmara de Leiria, Lurdes Machado.
Os responsáveis e o público presente foram depois convidados a visitar a clínica Primis, que apoiou a iniciativa e que tem parte das suas instalações justamente no espaço que foi ocupado pelo consultório de Torga, com a coincidência de se dedicar à mesma área da medicina. O Dr. José Cymbron, o autor da ideia do Dia de Miguel Torga em Leiria, falou ali do escritor enquanto médico, conteúdo inserido num capítulo da sua tese de doutoramento sobre Torga. Os proprietários da clínica fizeram depois uma visita guiada e ofereceram um Porto de Honra.
Às 16h45, nas instalações do Turismo de Leiria-Fátima, foi apresentado, por Carlos Fernandes, o livro “II Colóquio sobre Miguel Torga em Leiria – Actas” que reúne quatro comunicações feitas naquele Colóquio, em 7 de Fevereiro de 2009, por Suzana Couceiro Vieira Santos, Sandra Duarte, Luís Martins Fernandes e José Cymbron. Tem 64 páginas e é uma edição da Junta de Freguesia de Leiria e da Delegação de Leiria da Fundação INATEL, que fizeram parte da Comissão Organizadora, com o apoio da Fundação Caixa Agrícola de Leiria.
Finalmente, decorreu, nas mesmas instalações do Turismo, o momento alto da tarde, com a audição de vários textos de Miguel Torga, em particular dos vários volumes do seu “Diário”, mas sobretudo do muitos volumes de poesia, desde “O outro livro de Job” a “Câmara ardente”, passando por “Odes”, “Cântico do Homem”, “Orfeu rebelde” e “Antologia poética”, nomeadamente. A dizer estiveram David Teles Ferreira, Mercília Francisco, Luís Vieira da Mota, Maria Celeste Alves, José Vaz e Isabel Aragão. O público aguentou firme até ao último poema, “Ar livre”, dito de forma magistral por Mercília Francisco.
A celebração do Dia de Miguel Torga tem como objectivos: divulgar a vida e a obra de Miguel Torga; reavivar as memórias da vivência do médico e escritor em Leiria; e reflectir sobre as implicações que a “experiência leiriense” teve no desenvolvimento da sua obra. Constituíram a Comissão Organizadora da iniciativa neste ano de 2011 Albertina Ramos, Carlos Alberto Silva, Carlos Fernandes, David Catarino e Laura Esperança.

CENTRO HISTÓRICO LEIRIA

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

CENTRO HISTÓRICO VOLTA A SER O CENTRO " NOVAMENTE"


Repto lançado pelo presidente da câmara de Leiria foi atendido pelo ministro da Administração Interna durante assinatura do Contrato Local de Segurança. Centro Histórico vai ter reforço da PSP, onde será também implementado um sistema de videovigilância.
O autarca pediu. O ministro disse sim. Ontem, o presidente da câmara de Leiria, Raul Castro, lançou um repto ao ministro da Administração Interna para o reforço do número de agentes da PSP no Centro Histórico. Um repto aceite por Rui Pereira, que irá, ele próprio, comunicar as "necessidades" de Leiria às autoridades.
O número de assaltos no Centro Histórico de Leiria levou o autarca a pedir o reforço da PSP ontem, durante a assinatura do Contrato Local de Segurança (CLS), que prevê a criação de sistemas que permitirão reduzir a criminalidade, como a videovigilância.

"Infelizmente, também Leiria tem sido vítima de bastantes assaltos, nomeadamente a lojas situadas no centro histórico. Considero, por isso, imprescindível haver um reforço do número de agentes da PSP em Leiria, por forma a ser possível dar uma resposta pronta e eficaz às solicitações dos munícipes", disse Raul castro, lançando o repto ao ministro "para que essa medida seja encarada como prioritária".

Para o edil, o CLS é o primeiro passo para a redução da criminalidade e o aumento do clima de segurança, factores que permitirão "combater a desertificação do Centro Histórico, atraindo novos moradores e novos investidores".

Em resposta, o ministro da Administração Interna confirmou o reforço da PSP em Leiria, assim como no resto do País, anunciando o recrutamento de mil novos agentes da PSP e mil novos militares da GNR, que serão depois distribuídos consoante "o número de crimes, de habitantes, a área protegida e os factores de insegurança".

"O reforço vai ser feito em Leiria? Sem dúvida. A videovigilância não é um sistema substitutivo do elemento humano da segurança", afirmou Rui Pereira, que deixou uma "promessa" ao presidente da câmara: "eu próprio vou comunicar à PSP para terem em conta as necessidades de Leiria", disse à margem da cerimónia.

Na sessão protocolar, o ministro destacou ainda a aposta da tutela no policiamento de proximidade, razão pela qual tem vindo a celebrar CLS desde 2008, assim como a utilização da tecnologia na redução da criminalidade, nomeadamente os sistemas de videovigilância, que depois do Porto, Coimbra, Fátima e Lisboa, será implementado em Leiria.

Segundo Rui Pereira, "a criminalidade desceu, graças aos projectos de videovigilância, que servem também para reforçar a segurança, prevenir a criminalidade, investigar os casos, controlar o trânsito, e prevenir actos de vandalismo nas zonas nobres da cidade".

O ministro explicou aos jornalistas que a videovigilância tem sido desenvolvida "de acordo com o princípio de responsabilidade partilhada", sendo a instalação do sistema e das câmaras assegurada pelas autarquias, cabendo ao Ministério da Administração Interna e forças de segurança "a monitorização constante deste sistema, que é o que se vai fazer em Leiria".

"Nós queremos a videovigilância como um meio complementar e auxiliar de acção das forças de segurança. O que nós queremos é que, através da videovigilância, haja dissuasão. Naturalmente que as pessoas, na zona onde estão instaladas as câmaras, terão mais receio em cometer actos ilícitos, mas queremos que sirva também para a investigação da criminalidade", esclareceu Rui Pereira.

O ministro adiantou que o próximo passo no âmbito do CLS é a realização de um diagnóstico de segurança para "perceber quais são as prioridades". "É um longo percurso que vamos percorrer, com a ideia firme que nunca abandonaremos: dar mais e melhor segurança aos cidadãos", salientou.

CENTRO HISTÓRICO LEIRIA