terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Centro Civíco ou Centro da Inovação?

A construção do Centro Cívico no CH Leiria foi o maior barrete que o centro histórico recebeu nos últimos 10 anos.

Quando se luta pela sobrevivência de forma séria, o mínimo que se exige é a quem tem responsabilidade de tratar dos assuntos sérios, que seja sério e responsável politicamente.

Leiria e os seus empresários lutam de forma desigual com os seus parceiros vizinhos, pois a concorrência é feroz e assenta numa dinâmica tri-partida apoiada pelos seus municípios, ao passo que em Leiria estão sozinhos e como se isso não basta-se debatem-se com a politica do " dividir para reinar".
Ontem acordamos todos com mais uma dessas ações, existem locais onde é Natal e existem locais onde o calendário passa de novembro a janeiro, o dezembro foi removido, não têm direito ao Natal.

Se no passado Leiria precisava de lojas âncoras agora precisa de bóias de salvação, pois já não chega bom porto mas sim não naufragar neste mar de incongruências políticas.

O centro Civico com a atual  finalidade, presta serviços a quêm? a Leiria não será concerteza. Em vez de se colocar no local uma loja âncora como o Balcão Único, onde o munícipe pode-se tratar de todos os assuntos relacionados com a autarquia e assim ajudar a alavancar a reabilitação do espaço de forma dinâmica e com mais valias sócio-económicas e urbanas, não,  é mais um mono abandonado com uma fatura de 1 milhão de euros aos ombros.

Reabilitar não custa, o que custa é não gostarem que os outros o façam.